O modelo Spotify®

A estrutura interna das equipes da Spotify sofreu uma grande influência de mindsets ágeis como (Kanban, Agile, Scrum, XP, RUP e etc), além de conceitos de auto-gestão, ligados às metodologias ágeis, como o Menagment 3.0 de Jurgen Appelo.

Por serem auto-geridos, nos times não existem figuras tão marcantes de liderança formal, mas sim lideranças orgânicas, bastante fundadas nos aspectos técnicos/funcionais do trabalho. Assim, apenas chapters e squads tem lideranças claramente identificadas. PO/PM direciona o que é feito, e o líder de chapter direciona como isso é feito.

Squads

Squads é a unidade mínima de granularidade na organização dos times. Podem ter de 3 a 10 membros, e devem ser autônomas a ponto de conterem expertise dentro do grupo para desenvolver todos os aspectos do produto: da concepção à prototipação, design, desenvolvimento e deployment.

Tribo

A tribo (tribe) é o segundo nível de acoplamento, e pode conter uma série de squads que tenham funcionalidades e objetivos similares. Os squads de uma tribo ficam fisicamente próximos uns dos outros, para que haja comunicação fluida.

O tamanho máximo de uma tribo segue, no Spotify, a limitação do número de Dunbar, ou seja, em torno de 100 pessoas: número derivado de pesquisas biológicas e evolutivas que mede a quantidade máxima de espécimes que tendem a conviver juntos em “sociedade” na natureza. Em tese, o ser humano não seria capaz de manter contato social (razoavelmente próximo) com mais de 100 outros humanos, número este que vem sendo constantemente desafiado pelo advento das redes sociais.

Por fim, os squads-membro das tribos se encontram periodicamente para sincronizarem seus esforços, apresentarem seu trabalho, e trocarem experiências.

Chapter

chapter é um grupo horizontal (portanto orientado por função/afinidade) que congrega profissionais com responsabilidades e skills parecidos. Pode haver, por exemplo, um chapter de designers de UI, ou de desenvolvedores web de front-end. Chapters são geralmente contidos dentro de tribos, e se encontram com frequência para troca de idéias, melhores práticas, e desafios que estejam enfrentando. No chapter, há um líder, que serve como “técnico” e guia o aprendizado e o desenvolvimento funcional dos membros.

Como e porque as squads tende a ser autônomas?

A resposta é simples, cada squad possui um time multifuncional e auto organizado, geralmente com menos de 8 pessoas. Eles sentam juntos e possuem total responsabilidade pelo que desenvolvem, sustentam e entregam garantindo a qualidade. Cada squad possui sua missão a longo prazo, como por exemplo, uma das squads do spotify, que tem como objetivo tornar o Spotify o lugar ideal para colecionar músicas e escutá-las. A autonomia dos squads representa decidir o que construir, como construir e principalmente como trabalhar em conjunto durante o processo de desenvolvimento.

Todos os escritórios da empresa Spotify são otimizados para atender as necessidades dos squads, focando na colaboração, onde todos os membros de um determinado squad trabalham juntos, com mesas ajustáveis e com fácil acesso a tela uns dos outros.

A autonomia é motivadora e os torna mais veloz, deixando as decisões acontecerem localmente nos squads, ao invés de um acumulo de reuniões. Isso ajuda a minimizar o tempo de espera das decisões e assim é possível escalar, sem que fiquem afundados em dependências.

Apesar de cada squad possuir sua própria missão, é necessário que elas andem alinhadas com a estratégia do produto, prioridades e etc. A autonomia está no sangue dos squads, porém é necessário que os squads ouçam uns aos outros. Como uma banda, por exemplo, onde apesar de cada músico tocar seu próprio instrumento precisa estar alinhado com os demais músicos, para que desta forma cheguem ao melhor resultado que é fazer uma boa música para seus ouvintes.

O grande objetivo deste conceito, é diminuir o acoplamento, mas manter a proximidade e o alinhamento entre os squads.

Alinhamento e autonomia podem ser vistos em diferentes extremos em uma escala:

Pouco alinhamento e pouca autonomia faz com que os times fiquem perdidos, impedidos de decidir e sem conhecimento algum do que fazer.

Bastante alinhamento e pouca autonomia faz com que o líder diga aos times o que é necessário para alcançar o objetivo e o time faz.

Bastante alinhamento e bastante autonomia faz com que o líder diga aos times o que é necessário para alcançar o objetivo e os times decidem a melhor maneira para resolver.

Pouco alinhamento e bastante autonomia faz com que os times não estejam alinhados, indo para direções totalmente opostas.

O alinhamento possibilita autonomia, e quanto mais alinhamento existir, mais autonomia irá existir. Basicamente isso significa que o trabalho dos líderes é comunicar o tipo de problema e o porquê, e os squads colaboram uns com os outros para descobrir a melhor solução.

 

 

Anúncios

Descomplicando a Agilidade

Descomplicando a Ágilidade

Nos tempos atuais o modelo walterfall ainda presente em grande parte das empresas do mercado, faz com que a forma de trabalho em um projeto se torne invariável e burocrático quando o escopo tende a ser alterado com frequência.

Essa alteração de escopo e documentações em excesso faz com que o processo seja moroso e desgastante ao longo do projeto.

A agilidade vem para mudar esse mindset e tornar a mudança, documentação e burocracia mais fácil e comum a todas as áreas (negócio/key-user/desenvolvimento).

Como a agilidade pode mudar o mindset de uma empresa?

Modelo aplicado em “baby steps”, o formato de tomada de decisões e adaptabilidade passa a ser parte do DNA da empresa, fazendo com que ao longo do processo seja possível ter os clientes e colaboradores muito mais próximos, motivados e engajados, formando sinergia entre as áreas e gerando valor ao negócio.

Sendo também mais escalável horizontalmente em um time “flat” onde a liderança se torna algo natural entre os colaboradores trazendo mais confiança, liberdade, flexibilidade cognitiva e eficiência na resolução de problemas.

Construindo projetos ao redor de indivíduos motivados, dando a eles o ambiente e suporte necessários, confiando que farão seu trabalho.

O manifesto ágil

O Manifesto Ágil surgiu no segmento de desenvolvimento de software, e aos poucos está se estendendo para outras áreas. Ele leva alguns valores que devem ser preservados, como confiança, transparência, empoderamento das pessoas, energização das pessoas, delegação de responsabilidades, maior interação entre pessoas e menos ferramentas e geração de valor de negócio no menor tempo possível.

O modelo ágil é baseado nos seguintes pilares:

  • Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas
  • Software em funcionamento mais que documentação abrangente
  • Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano

Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda.

Este modelo é segregado em doze princípios do software ágil:

  1. Nossa maior prioridade é satisfazer o cliente, através da entrega adiantada e contínua de software de valor.
  2. Aceitar mudanças de requisitos, mesmo no fim do desenvolvimento. Processos ágeis se adequam a mudanças, para que o cliente possa tirar vantagens competitivas.
  3. Entregar software funcionando com frequência, na escala de semanas até meses, com preferência aos períodos mais curtos.
  4. Pessoas relacionadas à negócios e desenvolvedores devem trabalhar em conjunto e diariamente, durante todo o curso do projeto.
  5. Construir projetos ao redor de indivíduos motivados. Dando a eles o ambiente e suporte necessário, e confiar que farão seu trabalho.
  6. O Método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para, e por dentro de um time de desenvolvimento, é através de uma conversa cara a cara.
  7. Software funcional é a medida primária de progresso.
  8. Processos ágeis promovem um ambiente sustentável. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários, devem ser capazes de manter indefinidamente, passos constantes.
  9. Contínua atenção à excelência técnica e bom design, aumenta a agilidade.
  10. Simplicidade: a arte de maximizar a quantidade de trabalho que não precisou ser feito.
  11. As melhores arquiteturas, requisitos e designs emergem de times auto organizáveis.
  12. Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.

De que forma podemos aplicar este modelo em projetos?

Não existe uma formula perfeita para que o modelo seja aplicado, o que faz a agilidade ser eficiente é a vontade de fazer diferente, mudar a maneira de pensar (mindset), entender que cada pessoa é um ser individual, único, que tem motivações e anseios, muitas vezes, diferentes e que as ações em massa nem sempre são a melhor solução.

Para aplicarmos as metodologias e frameworks propostas, temos que ir passo a passo, alterando de forma simples o processo e seguir adaptando deixando o modelo mais robusto.

 

“O sucesso ágil é medido pelo valor que traz a empresa e ao seus clientes.”

Initiative Q – A nova criptomoeda

Esses dias recebi um convite sobre essa iniciativa, achei interessante … Não custa tentar, e esperar se dê certo, a Initiative Q já te dá algumas moedas para iniciar neste projeto.

Esta é uma nova moeda e rede de pagamento chamada Initiative Q, desenvolvida pelo antigo pessoal do PayPal. A moeda Q está sendo alocada gratuitamente se você é convidado por um membro existente.
A ideia é que, se milhões de pessoas aderirem, a Q poderia tornar-se uma importante rede de pagamento, e, segundo modelos econômicos bem conhecidos, isso significa que o valor da recompensa seria em torno de US$ 130.000,00.
A quantidade que você reserva diminui todos os dias, e cada membro tem um número limitado de convites. Você pode usar meu link de convite aqui:

https://initiativeq.com/invite/Brjb_lL3X

(Não se preocupe. Só coisa séria. Você só precisa informar seu nome e e-mail, e sua vaga estará reservada).

E boa sorte para a iniciativa e para nós !

O que é Agile ?

A expressão Agile vem do inglês Agile software development, isso é, desenvolvimento ágil de software. Trata-se de um nome atribuído a um conjunto de práticas para projetos de software que são consideradas inovadoras por quebrar determinados paradigmas que existiam até então na engenharia de software.

#ScrumXP e #DevOps são alguns dos métodos ágeis mais conhecidos no mercado, além de outros genéricos, isso é, que não tiveram sua origem no #Desenvolvimento de software, mas que também são utilizados para práticas de projetos de sistemas, como é o caso do KANBAN.

Principais características do desenvolvimento Ágil:

  • Métodos ágeis focam em pouca documentação, e mais produtividade.
  • Desenvolvimento de software iterativo e incremental, isto é,em pequenos ciclos de tempo que buscam a entrega de partes do produto final.
  • A cada interação, busca-se a construção, entrega e validação desta pequena parte do produto final que está sendo desenvolvido.
  • Ênfase em comunicação e aproximação do cliente final: o cliente deve ser mantido próximo a equipe que desenvolve, se possível pessoalmente, para avaliar, reavaliar e validar constantemente os pequenos “pedaços” do produto final. Métodos ágeis se baseiam na ideia de que a participação próxima do cliente é mais importante e eficaz do que negociação de contratos, termos e documentações afins.
  • Respostas ágeis a mudanças são característica do processo de desenvolvimento Agile. Responder a mudanças necessárias ao cliente é mais relevante do que seguir o roteiro documentado em um plano de projeto. Até mesmo mudanças tardias são bem vindas por equipes que se baseiam em desenvolvimento ágil, contanto que agreguem valor ao cliente.

O que é o Docker e como instalar no Windows 10

Eae coders !!  \o … Hoje segue um vídeo do passo-a-passo para instalação do Docker no Windows 10 e vamos abordar também sobre o que é essa ferramenta incrível.

 

Primeiro temos que definir o que não é Docker. Docker não é um sistema de virtualização tradicional. Enquanto em um ambiente de virtualização tradicional nós temos um S.O. completo e isolado, dentro do Docker nós temos recursos isolados que utilizando bibliotecas de kernel em comum (entre host e container), isso é possível pois o Docker utiliza como backend o nosso conhecido LXC.

Abaixo podemos ver uma figura que ilustra essa diferença.

lxc-vm

 

Docker é uma plataforma Open Source escrito em Go, que é uma linguagem de programação de alto desempenho desenvolvida dentro do Google, que facilita a criação e administração de ambientes isolados.

Mas por que que o Docker é tão legal?

O Docker possibilita o empacotamento de uma aplicação ou ambiente inteiro dentro de um container, e a partir desse momento o ambiente inteiro torna-se portável para qualquer outro Host que contenha o Docker instalado.

Isso reduz drasticamente o tempo de deploy de alguma infraestrutura ou até mesmo aplicação, pois não há necessidade de ajustes de ambiente para o correto funcionamento do serviço, o ambiente é sempre o mesmo, configure-o uma vez e replique-o quantas vezes quiser.

Outra facilidade do Docker é poder criar suas imagens (containers prontos para deploy) a partir de arquivos de definição chamados Dockerfiles (veremos isso melhor em posts futuros).

Não podemos nos esquecer também de que o Docker utiliza como backend default o LXC, com isso é possível definir limitações de recursos por container (memória, cpu, I/O, etc.)

Para ficar um pouco mais claro, podemos ver na imagem abaixo a diferença em se utilizar o LXC puro e o Docker.

lxc_vs_docker

 

Como o Docker faz isso?

Como ele trabalha utilizando cliente e servidor (toda a comunicação entre o Docker Daemon e Docker client é realizada através de API), basta apenas que você tenha instalado o serviço do Docker em um lugar, e aponte em seu Docker Client para esse servidor. A plataforma do Docker em si utilizada alguns conjuntos de recursos, seja para a criação ou administração dos containers, entre esses conjuntos podemos destacar a biblioteca libcontainer, que é responsável pela comunicação entre o Docker Daemon e o backend utilizado, é ela a responsável pela criação do container, e é através dela que podemos setar os limites de recursos por container.

Podemos ver na imagem abaixo como é o Workflow dentro do Docker.

libcontainer intro

 

 

 

Exibindo boxes no Android com AlertDialog

Introdução

Uma caixa de diálogo é uma pequena janela que solicita ao usuário tomar uma decisão ou inserir informações adicionais. Um diálogo não preenche toda a tela e é normalmente utilizado para eventos modais, requerendo aos usuários uma interação antes de prosseguir.

Um AlertDialog pode mostrar um título, até três botões, uma lista de itens selecionáveis ou não, ou um layout personalizado. Vamos ver ao decorrer deste artigo todas essas opções.

Diálogo básico

Exemplo de um diálogo básico

Figura 1: Exemplo de um diálogo básico

No exemplo básico vamos criar um diálogo como a imagem acima, um título, mensagem e dois botões.

É importante sabermos que ao criarmos o diálogo utilizando os recursos padrões ele será automaticamente desfeita ao pressionar qualquer dos botões.

A criação é simples e em todos os exemplos vamos utilizar o mesmo recurso para a criação do objeto AlertDialog. Utilizaremos a classe AlertDialog.Builder, vamos instanciá-la e configurar o que será exibido (título, mensagem, botões, etc…) após isso vamos pegar o AlertDialog do Builder e mandar exibir o diálogo.

Listagem 1: Exemplo AlertDialog básico

    //atributo da classe.
    private AlertDialog alerta;

    private void exemplo_simples() {
        //Cria o gerador do AlertDialog
        AlertDialog.Builder builder = new AlertDialog.Builder(this);
        //define o titulo
        builder.setTitle("Titulo");
        //define a mensagem
        builder.setMessage("Qualifique este software");
        //define um botão como positivo
        builder.setPositiveButton("Positivo", new DialogInterface.OnClickListener() {
            public void onClick(DialogInterface arg0, int arg1) {
                Toast.makeText(MainActivity.this, "positivo=" + arg1, Toast.LENGTH_SHORT).show();
            }
        });
        //define um botão como negativo.
        builder.setNegativeButton("Negativo", new DialogInterface.OnClickListener() {
            public void onClick(DialogInterface arg0, int arg1) {
                Toast.makeText(MainActivity.this, "negativo=" + arg1, Toast.LENGTH_SHORT).show();
            }
        });
        //cria o AlertDialog
        alerta = builder.create();
        //Exibe
        alerta.show();
    }

Diálogo customizado

Exemplo de um diálogo customizado

Figura 2: Exemplo de um diálogo customizado

Seguindo os passos da criação de nosso diálogo básico, agora vamos criar um layout customizado, primeiramente será feita a construção do nosso arquivo XML chamado de ‘alerta.xml’, nele vamos inserir um ImageView e um Button dentro de um LinearLayout.

Listagem 2: Arquivo alerta.xml utilizado no diálogo customizado

<LinearLayout xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
              android:orientation="vertical"
              android:layout_width="fill_parent"
              android:layout_height="fill_parent"
>
    <ImageView
        android:layout_width="wrap_content" 
        android:layout_height="wrap_content" 
        android:layout_gravity="center"
        android:src="@drawable/imagem_teste"
/>
    <Button
        android:id="@+id/bt"  
        android:layout_width="fill_parent" 
        android:layout_height="wrap_content" 
        android:text="Dismiss"
/>
</LinearLayout>

Agora vamos inserir esse layout no diálogo e tratar a ação do botão. Lembre-se que o AlertDialog está como variável da classe, assim como no primeiro exemplo.

Listagem 3: Exemplo AlertDialog customizado

    private void exemplo_layout() {
        //LayoutInflater é utilizado para inflar nosso layout em uma view.
        //-pegamos nossa instancia da classe
        LayoutInflater li = getLayoutInflater();
        
        //inflamos o layout alerta.xml na view
        View view = li.inflate(R.layout.alerta, null);
        //definimos para o botão do layout um clickListener
        view.findViewById(R.id.bt).setOnClickListener(new View.OnClickListener() {
            public void onClick(View arg0) {
                //exibe um Toast informativo.
                Toast.makeText(MainActivity.this, "alerta.dismiss()", Toast.LENGTH_SHORT).show();
                //desfaz o alerta.
                alerta.dismiss();
            }
        });
        
        AlertDialog.Builder builder = new AlertDialog.Builder(this);
        builder.setTitle("Titulo");
        builder.setView(view);
        alerta = builder.create();
        alerta.show();
    } 

Diálogos de lista de seleção simples

Também com base nos exemplos anteriores, fazer uma lista nada mais é do que você definir um vetor de informações e inseri-las no Builder do diálogo.

Diálogo de seleção simples

Figura 3: Diálogo de seleção simples

Neste exemplo foi utilizado um ListAdapter para gerar a lista, para isso foi criado um layout para os itens.

Listagem 4: Item que contem o TextView da lista

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<TextView
    xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
    android:layout_width="fill_parent"
    android:layout_height="wrap_content"
    android:textSize="20sp"
    android:textColor="#FF000000"
    android:padding="10sp"
/>

Como vimos, nosso item é só um TextView, veja na listagem abaixo como construir o adaptador e inserir no AlertDialog.

Listagem 5: Implementação do AlertDialog em lista

    private void exemplo_lista_single() {
        //Lista de itens
        ArrayList<String> itens = new ArrayList<String>();
        itens.add("Ruim");
        itens.add("Mediano");
        itens.add("Bom");
        itens.add("Ótimo");
        
        //adapter utilizando um layout customizado (TextView)
        ArrayAdapter adapter = new ArrayAdapter(this, R.layout.item_alerta, itens);

        AlertDialog.Builder builder = new AlertDialog.Builder(this);
        builder.setTitle("Qualifique este software:");
        //define o diálogo como uma lista, passa o adapter.
        builder.setSingleChoiceItems(adapter, 0, new DialogInterface.OnClickListener() {
            public void onClick(DialogInterface arg0, int arg1) {
                Toast.makeText(MainActivity.this, "posição selecionada=" + arg1, Toast.LENGTH_SHORT).show();
                alerta.dismiss();
            }
        });

        alerta = builder.create();
        alerta.show();
    } 

Diálogo de lista com várias seleções

Os itens da lista do diálogo de seleções múltiplas se resumem em um componente de texto e um CheckBox.

Diálogo de seleção múltipla

Figura 4: Diálogo de seleção múltipla

Neste exemplo, o que temos de diferente são dois vetores, um de CharSequence[] onde serão armazenados os textos, e um vetor de boolean[] onde ficarão armazenadas as informações de habilitado ou desabilitado de cada item. Por isso que é muito importante construir esse vetor de acordo com o tamanho do vetor do CharSequence[]. Na listagem abaixo será mostrado como implementar e utilizar essa lista.

Listagem 6: Implementação do AlertDialog em lista

    private void exemplo_lista_multi() {
        CharSequence[] charSequences = new CharSequence[]{"Filmes", "Dormir","Sair"};
        final boolean[] checados = new boolean[charSequences.length];

        AlertDialog.Builder builder = new AlertDialog.Builder(this);
        builder.setTitle("O que você gosta?");
        builder.setMultiChoiceItems(charSequences, checados, new DialogInterface.OnMultiChoiceClickListener() {
            public void onClick(DialogInterface arg0, int arg1, boolean arg2) {
                checados[arg1] = arg2;
            }
        });

        builder.setPositiveButton("Confirmar", new DialogInterface.OnClickListener() {
            public void onClick(DialogInterface arg0, int arg1) {
                StringBuilder texto = new StringBuilder("Checados: ");
                for (boolean ch : checados) {
                    texto.append(ch).append("; ");
                }
                Toast.makeText(MainActivity.this, texto.toString(), Toast.LENGTH_SHORT).show();
            }
        });

        alerta = builder.create();
        alerta.show();
    }

Observe que o listener do setMultiChoiceItems é diferente pois utilizamos a interface OnMultiChoiceClickListener() que nos retornara a posição e o estado do botão.

Conclusão

O AlertDialog é uma classe essencial no desenvolvimento de aplicações Android, permitindo ao usuário uma caixa simples para a seleção de opções.

Como todo componente do Android, o AlertDialog é totalmente customizável, permitindo o uso de um layout personalizado, com seus próprios botões e informações. Seu uso além de simples e viável deve ser estudado para atender ao usuário. Lembre-se sempre de pesquisar na documentação do Android como utilizar cada recurso da melhor maneira possível.

Fonte : http://www.devmedia.com.br/exibindo-caixas-de-dialogos-no-android-com-alertdialog/26749

Como atualizar Windows 8 Pro ou Windows 7 Professional para Windows 10 Pro

Usuários de computadores Windows podem atualizar o Windows 10 Home para o Windows 10 Pro gratuitamente se tiverem um serial (uma chave de registro) do Windows 7 Professional ou Windows 8 Pro sem formatação. Para isso, basta que a versão mais antiga seja elegível para o upgrade desejado e que todo o processo seja feito antes do próximo dia 29 de julho — prazo em que termina o update gratuito. Ao fim, todos os arquivos e programas estarão no mesmo lugar e o usuário terá acesso às ferramentas exclusivas da versão “profissional” do sistema.

O Windows 10 Pro traz todas as funções presentes na versão Home, além de ferramentas adicionais para segurança e produtividade. Alguns exemplos são o suporte ao acesso remoto ao PC, criptografia de disco avançada com o BitLocker, criação de máquinas virtuais com o Hyper-V, entre outros. Confira abaixo como fazer o upgrade para o Windows 10 Pro se você já tem um Professional.

Windows 10 Home pode ser atualizado para o Pro com uma chave do Windows 7 ou 8 (Foto: Elson de Souza/TechTudo)Windows 10 Home pode ser atualizado para o Pro com uma chave do Windows 7 ou 8 (Foto: Elson de Souza/TechTudo)

Requisitos e recomendações para fazer a atualização

Para fazer o Upgrade, o usuário precisar ter a versão 1511 do Windows 10 instalada. Se quiser conferir isso, basta acessar as configurações no Menu Iniciar, clicar na opção “Sistema” e, por fim, na guia Sobre. Caso a versão seja diferente, atualize o seu computador através do Windows Update.

Windows 10 precisa estar na versão 1511 para atualização para versão Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Windows 10 precisa estar na versão 1511 para atualização para versão Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Outro requisito é ter uma chave de ativação não utilizada de um das versões elegíveis para o upgrade gratuito para o Windows 10 Pro. São elas o Windows 7 Professional ou Ultimate, o Windows 8 Pro ou o Windows 8.1 Pro. Lembre-se, contudo, que a oferta acaba em julho de 2016.

Antes de continuar, é recomendado que o usuário faça uma cópia de segurança dos seus arquivos para evitar eventuais problemas. Outra medida de segurança é anotar a atual licença do Windows 10 Home em uma eventual reparação ou instalação em outra máquina. Veja como descobrir o serial.

Como fazer o upgrade para o Windows 10 Home

Passo 1. Abra o aplicativo de Configurações do Windows 10 no menu Iniciar;

Windows 10 Home pode ser atualizado para o Pro no app de configurações (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Windows 10 Home pode ser atualizado para o Pro no app de configurações (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 2. Clique na opção “Atualizações e segurança”;

Windows 10 Home pode ter upgrade para o Pro no menu de atualizações (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Windows 10 Home pode ter upgrade para o Pro no menu de atualizações (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 3. Selecione a guia “Ativação” e escolha a opção “Alterar chave do produto (Product Key)”;

Usuário deve escolher a opção de alterar chave do Windows 10 Home para fazer upgrade (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário deve escolher a opção de alterar chave do Windows 10 Home para fazer upgrade (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 4. Na janela que aparece, digite a seguinte chave: VK7JG-NPHTM-C97JM-9MPGT-3V66T. Esse é apenas um código para fazer o upgrade. A sua licença de ativação será inserida posteriormente;

Usuário deve inserir chave fornecida pela Microsoft para fazer o upgrade (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário deve inserir chave fornecida pela Microsoft para fazer o upgrade (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 5. Na tela seguinte, o Windows exibirá um aviso sobre o processo de atualização. Antes de continuar, salve todos os seus trabalhos pendentes e feche os aplicativos. Ao fim, toque em “Iniciar atualização”;

Usuário deve salvar trabalhos antes de continuar com atualização do Windows 10 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário deve salvar trabalhos antes de continuar com atualização do Windows 10 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 6. O Windows 10 começará a baixar a sua atualização e fará a instalação automaticamente logo em seguida. Durante o processo, o computador será reiniciado várias vezes, aguarde;

Windows 10 Home fará o download e upgrade para a versão Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Windows 10 Home fará o download e upgrade para a versão Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 7. Após o computador terminar de instalar o Windows 10 Pro, siga novamente o caminho “Configurações > Atualizações e segurança > Ativação”;

Usuário precisa ativar o Windows 10 Pro para continuar usando o sistema (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário precisa ativar o Windows 10 Pro para continuar usando o sistema (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 8. Toque na opção “Altera chave do produto (Product Key)”;

Usuário deve mudar novamente a chave de ativação do Windows 10 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário deve mudar novamente a chave de ativação do Windows 10 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 9. Na tela seguinte, digite a chave do produto que você tem do Windows 7 (Professional ou Ultimate), 8 Pro ou 8.1 Pro. O serial key contém 25 caracteres (precisa estar completo);

Usuário deve inserir a chave do Windows 7 ou 8 Pro para ativar Windows 10 Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Usuário deve inserir a chave do Windows 7 ou 8 Pro para ativar Windows 10 Pro (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 10. Na tela “Ativar o Windows”, toque sobre o botão Avançar para prosseguir;

Confirme a ativação do Windows 10 Pro com sua chave das versões 7 e 8 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Confirme a ativação do Windows 10 Pro com sua chave das versões 7 e 8 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 11. Aguarde até que a confirmação de ativação do Windows apareça;

Windows 10 Pro estará ativado sem a necessidade de instalação limpa (Foto: Reprodução/Elson de Souza)Windows 10 Pro estará ativado sem a necessidade de instalação limpa (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Pronto! Agora o seu Windows 10 Pro estará instalado e ativado no seu computador!

Como ativar ou desativar a conta Administrador no Windows 8

A conta Administrador no Windows 8 oferece acesso irrestrito a tudo no sistema operacional da Microsoft. Por padrão, usuários logados com ela não recebem notificações do UAC (Controle de Conta de Usuário) quando estes realizam alterações no sistema.

Ao usar a conta Administrador no Windows 8 o usuário terá algumas restrições, como por exemplo:

– Não é possível executar aplicativos da Windows Store ou entrar na loja:

– Esta conta é apenas local. Não é possível mudar para uma Conta da Microsoft.

IMPORTANTE: Se você habilitar a conta Administrador no Windows 8, lembre-se de criar uma senha para deixá-la protegida contra acesso não autorizado.

Como ativar ou desativar a conta Administrador no Windows 8

– O primeiro passo é abrir o prompt de comando como Administrador. Para fazer isto, clique com o botão direito do mouse no canto inferior esquerdo da área de trabalho e depois em Prompt de Comando (Admin):

Como ativar ou desativar a conta Administrador no Windows 8

– Com o prompt de comando elevado aberto, digite o seguinte comando e pressione Enter:

net user administrator /active:yes �

– Agora você poderá entrar na conta Administrador no Windows 8:

– Para desativar a conta Administrador no Windows 8, digite o seguinte comando no prompt elevado:

net user administrator /active:no

– Se você estiver logado na conta Administrador, volte para sua conta de usuário “normal” depois de desativá-la no prompt de comando:

Fonte : https://www.baboo.com.br/tutorial/tutorial-windows-8-1/como-ativar-ou-desativar-a-conta-administrador-no-windows-8/

Minerando Bitcoin na nuvem

Genesis-mining-logo

Confiança

Genesis Mining é sem dúvida a empresa de mineração na nuvem mais confiável do mercado. Eles são ainda mais transparente do que ZeusHash, eles ganharam mais legitimidade através da publicação de um endereço real, os perfis de sua equipe de gestão, e fornecer fotos de sua operação de mineração. Como ZeusHash, Genesis Mining é verdadeiro sobre a necessidade de transparência na indústria de mineração de nuvem.

Além disso, Genesis Mining tem uma parceria com Spondoolies-Tech para fornecer máquinas de mineração para sua operação de mineração. Considerando que Spondoolies também é altamente respeitado na comunidade Bitcoin, eu acho que você vai concordar com este relacionamento vai acabar com o ceticismo de muitas pessoas.

mining

Preço

Genesis Mining oferece contratos com um bom preço em relação aos concorrentes, por um preço de cerca de 0,002 BTC / GHS no momento desta revisão. No entanto, eles são contratos vitalícios. Assumindo a dificuldade rede continua a se estabilizar, e valor do Bitcoin aumentar pelo menos o suficiente para compensar o aumento de dificuldade, este poderia, teoricamente, significa que os contratos de mineração Genesis vai continuar a pagar indefinidamente.

Manutenção Fee

Embora tenha tarifas de mineração, eles estão bem baixas ($ 0,015 / 10GHS / dia, o que equivale a 0,045 dólares / GHS / mês). Isso é o que seria de esperar para pagar a electricidade em um local com energia bem barata.

Pagamento/Confiabilidade

Genesis Mining envia pagamentos diários. Eu tenho recebido como esperado ao longo de 1 ano e meio  de mineração.

Genesis Mining Cadastro e Bónus

Genesis Mining oferece um bónus de inscrição de 2,5% se você se inscrever com o código de referência de um outro cliente. Basicamente, usando o link de referência, os novos clientes recebem um desconto de 2,5% em seus contratos. O referrer recebe um bônus de 2,5% do poder de mineração adquiridos por um ano, por isso é realmente uma situação win-win.

Genesis Mining Data Center

Histórico de Genesis Mining

Genesis Mining lançou seu site em fevereiro de 2014, e tem promovido o seu serviço desde então. Sua equipe é composta por Marco Streng CEO, CTO Stefan Schindler, CFO Marco Krohn, e Chefe de Vendas Jakov Dolic. Embora a maior parte de sua equipe é de Munique, sua operações de mineração é na Islândia, Ásia e América. Eles participaram de uma série de importantes conferências Bitcoin globais, e sua equipe tem dado palestras e exibido na série de conferências Inside Bitcoins em Amsterdã, Las Vegas, Tel Aviv e Paris. Eles continuaram a promover a transparência, e são uma das empresas mais publicamente visível no espaço.

Conclusão

Há uma série de razões para que Genesis Mining seja classificada como o número #1 em mineração na nuvem. Eles oferecem contratos vitalícios, e suas taxas de manutenção são muito razoáveis. Sua interface do painel de instrumentos é simples e intuitiva. Para finalizar, Genesis Mining oferece um bônus de referência decente que também paga como um bônus de inscrição.

Fonte : http://www.bitcoinnews.com.br/bitcoinbrasil/porque-minerar-bitcoinvaleapenaounaoco981sd12/

Antivírus de servidores de e-mail

Vamos falar um pouco sobre os antivírus
de servidores de e-mail, que rodam diretamente em seu servidor
de e-mail Linux protegendo todos os e-mails que por ele passam,
dessa maneira seus clientes podem ficar menos preocupados.

Será que realmente isso funciona?
Bom, essa é uma pergunta que muito de vocês devem
estar fazendo nesse momento. Posso responder com toda certeza
que em todos os servidores que instalei esse tipo de solução,
funcionou perfeitamente e com proteção completa.
É claro como qualquer antivírus ele precisa ser
atualizado periodicamente, pois não valerá nada
um sistema desses desatualizado.

Já existem vários programas desse
estilo, citarei alguns aqui que considero os mais conhecidos e
mais fáceis de serem instalados:

  • NAI Vírus Scan: Trabalha nas plataformas
  • AIX, HP-UX, Linux, NCR e Solaris.
  • Dr. Solomon
  • H+BEDV AntiVir/X
  • Sophos Sweep
  • Kaspersky Lab AntiViral Toolkit Pro (AVP)
  • Cybersoft VFIND
  • Trend Micro FileScanner
  • CAI InoculateIT
  • F-Secure Inc. (Former DataFellows) F-Secure AV

Todos esses antivírus que citei acima precisam
de um tipo de engine para rodar o mais conhecido e usado é
o AMAVIS(http://www.amavis.org), que funciona com todos os programas
citados acima, funciona nos seguintes servidores de e-mail:

  • Sendmail
  • Qmail
  • Postfix
  • Exim

O AMAVIS é quem faz praticamente todo o
trabalho, é através dele que a verificação
é feita, o antivírus é somente para as atualizações
das definições de vírus. Ele verifica arquivos
compactados por qualquer tipo de compactador, seja zip, rar, tar.gz,
bin, arj, iso.
O conjunto AMAVIS mais um desse antivírus que citei, pode
salvar muito de seus clientes de receber aqueles e-mails com vírus
que acabam por infestar muitos micros causando prejuízo
e atrasos.

Fonte : http://imasters.com.br/noticia/linux-antivirus-de-servidores-de-e-mail/?trace=824205206&source=real-time

Comunidade Brasileira de Desenvolvimento